A-dor-que-dói-mais1.jpg
01.jpg

A Dor Do Coração Partido

 

   Quem nunca sofreu por amor! Uma hora ou outra essa dor nos atinge. Pode ser o primeiro amor ou aquele relacionamento que foi mais profundo.

 

   Você já ouviu a expressão "Coração partido"? Ela é uma metáfora que nos faz entender exatamente aquilo que nós sentimos quando passamos por uma desilusão.

 

   Quando alguém se apaixona, passa a imaginar que a pessoa amada irá satisfazer todas as suas expectativas. Construindo, assim, a imagem de uma pessoa ideal que, na maioria esmagadora das vezes, não irá satisfazer à pessoa real. Essa é a razão de muitas das frustrações consequentes. Quem projeta os sentimentos dessa maneira, pode ficar com o coração partido.

 

   Se sente abatido e com uma sensação de nó na garganta. Muitas vezes, ficando até sem perspectiva para o futuro, achando que não há solução para a situação. Com tempo e paciência, se percebe que é possível aprender com esse sofrimento e seguir em frente com a vida.

 

   Para Freud, quando um bebê nasce, o seu investimento libidinal é feito no seu próprio corpo. Esse estado só pode se manter com o amor dos pais. É por meio dele que o bebê passa a ter a sensação de completude e onipotência. Por exemplo, essa criança passa a acreditar que ela é tudo para a sua mãe. No entanto, com o tempo, ela percebe que acreditou em uma ilusão, já que ela nota que a sua genitora tem outros interesses em sua vida. Quando a criança passa por esse processo de desilusão, ela percebe que a sua onipotência é ilusória, e ainda de acordo com Freud, uma pessoa, no decorrer de sua vida, acabará se apaixonando por alguém e projetando no ser amado a sua necessidade de completude. O seu objetivo será recuperar a sensação que teve na sua infância.

Muitas pessoas apaixonadas criam uma dependência pelo objeto de sua afeição e passam a acreditar que, sem ele, o mundo não faz sentido. Claro que muitas delas irão superar essa situação com o tempo e amadurecer. Ainda assim, muita gente pode ter dificuldade para perceber um problema iniciado na sua infância e resolvê-lo na vida adulta.

 

   Não é agradável perceber que muitas das nossas expectativas com relação a outras pessoas são infundadas. Ainda assim, é importante que nós tenhamos consciência que não faz bem depositarmos a nossa necessidade de completude em alguém.

 

   Só porque dificilmente um indivíduo conseguirá satisfazer tudo aquilo que a gente precisa. É importante que nós saibamos que esse é um fardo muito pesado para alguém carregar já que todas as pessoas têm limitações.

 

   Quando enfrentamos uma perda, desilusão ou tristeza profunda, como o término de um casamento, a descoberta de uma traição, um acidente ou a perda de um ente querido, a dor emocional é tanta que, muitas vezes, a sensação é de que ela se transfere para o corpo. E de fato isso acontece. Trata-se da síndrome do coração partido um problema cardíaco causado por uma emoção negativa muito forte, sendo assim, a metáfora pode passar a ser uma doença concreta se não bem tratada.

O quadro clínico da síndrome do coração partido é bem semelhante com o do infarto agudo do miocárdio, cujos sintomas mais comuns são caracterizados por dor súbita no peito e falta de ar, mas outros sinais também podem ocorrer como tonturas e vômitos, perda de apetite e dor no estômago, raiva, tristeza profunda ou depressão, dificuldade para dormir, cansaço excessivo, perda de autoestima ou sentimentos negativos.

 

   O indivíduo com síndrome do coração partido pode apresentar alguns sintomas, como:

 

  • Aperto no peito;
  • Dificuldade para respirar;
  • Tonturas e vômitos;
  • Perda de apetite ou dor no estômago;
  • Raiva, tristeza profunda ou depressão;
  • Dificuldade para dormir
  • Cansaço excessivo;
  • Perda de autoestima, sentimentos negativos ou pensamento suicida;

 

Caso a dor no peito seja muito forte ou a pessoa tenha muita dificuldade para respirar, é recomendado ir ao pronto-socorro para fazer exames, como eletrocardiograma e exames de sangue, para avaliar o funcionamento do coração. E procure ajuda psicológica também.

Referências: psicanaliseclinica.com | hcor.com.br